Roteiro AEMaia 2018

A SISMA  desenvolve a sua actividade e continua a progredir, dedicando-se à maquinação CNC de precisão em série (médias e grandes séries) e utiliza como principais matérias-primas aços maquináveis, aços inoxidáveis, alumínios, titânio, latão e materiais não metálicos.

A SISMA aposta na valorização e formação contínua dos seus recursos humanos, oferecendo deste modo a mais elevada competência técnica, rentabilidade e flexibilidade dos meios tecnológicos de que dispõe, de forma a ir ao encontro dos requisitos do cliente. Estas competências foram, ao longo do tempo, aperfeiçoadas, tendo em conta a crescente complexidade dos produtos e exigência dos seus clientes.



Entrevista a José Sá Couto, fundador da empresa

Conte-nos um pouco sobre a história da Sá, Couto & Monteiro SA.
Como surgiu, como foram os primeiros anos, até aos dias de hoje e como vêem o futuro.

A Sá Couto & Monteiro é uma empresa com 32 anos de existência focada na maquinação de componentes para a indústria. Actualmente a nossa empresa destaca-se no fabrico de componentes para a indústria dos dipositivos médicos, aeronáutica, óptica, automóvel, entre outras.
Os equipamentos produtivos existentes inicialmente na empresa eram os designados tornos automáticos de “CAMES” ou “EXCÊNTRICOS”. Esta tecnologia está hoje em dia ultrapassada devido ao desenvolvimento tecnológico decorrido até à data e representa para nós apenas uma recordação associada à origem da nossa empresa.
Desde sempre, o investimento nas melhores tecnologias disponíveis no mercado fez parte da estratégia da nossa empresa. Podemos afirmar que a nossa realidade produtiva sofreu várias evoluções até hoje. Actualmente temos um parque com cerca de 50 máquinas CNC e com interfaces de automação muito abrangentes. Apostamos diariamente para que esta evolução seja uma constante na nossa empresa.
Os primeiros anos da Sá Couto & Monteiro estiveram muito orientados para o mercado interno mantendo estreitas relações com clientes de vários sectores dos quais destacamos o sector dos electrodomésticos, das válvulas de gás e das torneiras.
Nos anos de 2006/2007 a nossa empresa apostou e potencializou uma estratégia de internacionalização, com o objectivo de marcar presença nos mercados internacionais, criando a marca SISMA. Esta é a marca pela qual somos hoje em dia reconhecidos nacional e internacionalmente e que traduz efectivamente o que somos – uma Sociedade Industrial de Serviços em Máquinas Automáticas.
Esta necessidade de internacionalização da empresa foi, de certa forma, o resultado da nossa estratégia de procurar no mercado peças de maior valor acrescentado, elegendo mercados do centro da Europa. Hoje em dia mais de 90% dos componentes que produzimos são exportados.

Que tipo de produtos e para que finalidade fabricam na Sá, Couto & Monteiro?

A SISMA está focada na prestação de serviços industriais com recurso a diferentes processos de maquinação, tais como o torneamento e fresagem. Este âmbito permite-nos produzir componentes para vários sectores da economia, conforme referido anteriormente (dispositivos médicos, aeronáutica, óptica, automóvel, entre outros).
Pelo facto de sermos uma empresa industrial, que produz milhares de referências de artigos totalmente distintos, dispomos de um serviço que assiste vários sectores de actividade.

Com a aposta na internacionalização, nasceu a SISMA.A SISMA é uma empresa 100% portuguesa, mas mais de 90% da vossa produção é exportada. Quais são os vossos principais mercados internacionais?

A nossa presença internacional é resultado de um forte investimento tecnológico, acompanhado de um reforço ao nível da formação e integração de quadros qualificados. Esta presença foi possível graças a uma alteração no nosso modelo de negócio, que passou a ter como principal objectivo dotar a empresa das valências necessárias para trabalhar para os sectores de actividade mais exigentes e complexos do mercado, a nível mundial.
Após uma década focados nesse objectivo estratégico, podemos hoje afirmar que a empresa está presente em sectores especializados (saúde, aeronáutico e óptico) e encontra-se totalmente orientada para aceitar novos desafios e desenvolver soluções. Os nossos principais mercados compõem o coração tecnológico da Europa formado principalmente pela Suíça, Alemanha e França. São estes os mercados em que apostamos cada vez mais.
Na Suíça contamos já com uma estrutura local. Em resultado desse investimento, foram já criadas novas parcerias de negócio, principalmente na área da saúde, sector onde este país é reconhecido pelo seu carácter inovador e pela garantia de qualidade.
É objectivo da empresa usar esta mesma estratégia para abrir uma frente de negócio na Alemanha e estabelecer novas parcerias, sempre com foco nos sectores de maior valor acrescentado.

Sabemos que estão em fase de ampliação das vossas instalações. Que alterações se farão notar no futuro e no dia-a-dia da empresa

Estamos actualmente em fase de construção das novas instalações produtivas da SISMA, uma área coberta com mais de 4000 m2 onde iremos instalar todos os nossos equipamentos produtivos.
O facto das novas instalações se encontrarem junto às instalações actuais irá possibilitar fazer o aproveitamento destas, de forma a dispormos de uma área coberta total superior a 6000 m2.
Estas novas instalações estarão dotadas das mais recentes tecnologias em termos de eficiência energética e de estabilização dos parâmetros de produção. O edifício está desenhado de forma a tender ser auto-sustentável em termos de energia eléctrica e de água no processo industrial, pelo que em termos de consumo energético, consumo de água e gestão de resíduos prevemos reduções muito significativas, o que reflecte as boas práticas de protecção ambiental da nossa empresa.
Este investimento irá permitir-nos elevar os nossos índices de rentabilidade processual e com isso permitir ser mais competitivos e entrar em novas frentes de mercado.
Adicionalmente, e não menos importante, as novas instalações irão permitir-nos continuar a desenvolver o nosso parque de máquinas e aumentar, dessa forma, a nossa capacidade produtiva em mais de 50%.

Com a criação da marca SISMA Medical, entraram num mercado novo. Fale-nos um pouco sobre esta vertente.

O projecto de produção de dispositivos médicos conta já com cinco anos desde o seu arranque e permite-nos hoje trabalhar directamente em parceria com importantes players mundiais dos sectores da medicina dentária e do sector ortopédico.
O projecto SISMA Medical é o reflexo da nossa ambição de desenvolver uma nova gama de produtos e serviços para o sector da medicina dentária e ortopedia. Sabemos que o sector da saúde é altamente exigente, não só em termos de qualidade de produto, como também ao nível de garantia regulamentar pelo que desde a sua concepção e ao longo destes últimos cinco anos este projecto foi amadurecido em termos de know-how e competências e surge hoje como uma aposta segura para a apresentação de produtos e serviços no sector da saúde.

Quais foram as principais mudanças ocorridas na empresa durante estes anos?

A mudança que consideramos mais significativa prende-se com a mudança de orientação estratégica para a prestação de um serviço tecnológico de valor acrescentado ao invés da venda de “artigos”. Este valor acrescentado provém da nossa capacidade de oferecer soluções aos nossos clientes que estão cada vez menos relacionadas com a capacidade da máquina e sim com a capacidade de desenvolver e de criar processos inovadores. Esta mudança de paradigma traz inevitavelmente alterações de estrutura organizativa. Cada vez mais a nossa empresa está orientada para absorver conhecimento, sendo que para isso trabalhamos de perto com a comunidade científica académica.